Coordenação: Drando Rodrigo Pereira (Arqueólogo/ Museu Nacional da Quinta da Boa Vista/UFRJ)

Pesquisadores associados: Dranda. Lilian Cardoso e Silva Costa Pinto (UFRJ) e Profª Drª Lolita Guimarães Guerra (UERJ/FFP São Gonçalo)

A área visa congregar estudos de cunho arqueológico, antropológico e histórico e suas interseções na construção do conhecimento sobre as religiosidades. Em especial, a área se volta para a compreensão das diversas formas de religiosidades na formação social e histórica do Brasil desde o século XIX, focando-se nas matrizes afro-brasileiras, assim como o espiritismo/Kardecismo.

Dentro do estudo religioso das matrizes afro-brasileiras, tem-se ainda como foco analisar os processos de diáspora destas manifestações associando-as a temas como: migrações no Brasil e entre a África e o Brasil, perseguições religiosas, relações econômicas e a relação entre o estabelecimento relacional entre periferias e centros. Objetiva-se assim, para além da historiografia da diáspora religiosa, analisá-la sob vieses que permitam compreendê-la como um fato histórico e social que se dá para além de relações entre os dirigentes e o espaço para a construção e elaboração de seu terreiro.

Objetivando, assim, estudos de cultura material (termo como correspondente a qualquer segmento do meio físico modificado por comportamentos culturalmente determinados), estabelecemos uma linha de relação entre a imaterialidade das expressões religiosas e sua materialidade explícita/analisável em objetos, espaços e edificações (entre os vários elementos da cultura material), buscando-se priorizar estudos que relacionem a materialidade da religião às suas expressões simbólicas, rituais e cosmogônicas pelos agentes que constituem o corpo de uma manifestação religiosa ou cultural. Ao mesmo tempo são contempladas pesquisas sobre biografias, trajetórias e estudos sobre a subjetividade (Teoria do Self e gênero) nos cultos afro-brasileiros. Objetiva-se ainda compreender os fenômenos históricos correlatos à diáspora destas religiosidades e suas implicações com o espaço.

Tem-se ainda como foco a interação entre o homem e o meio ambiente (História Ambiental e Zooarqueologia, entre outras áreas correlatas da Arqueologia) e suas associações entre as expressões do sagrado e a paisagem, observando como as religiosidades se manifestam também nesta relação.

Contato: rodrigopereira.cso@uol.com.br